Mitos e verdades sobre a LGPD
03 ago

A Lei Geral de Proteção de Dados foi sancionada em 2018 mas entrou em vigor apenas no ano de 2021, aplicando as multas e penalidades estabelecidas. As regras estipuladas pela lei são bem detalhadas e extensas e, por isso, exigem uma adaptação e mudança de cultura por parte das empresas. O resultado é mais segurança e proteção para o negócio e seus clientes, que podem ficar tranquilos em relação ao uso indevido ou vazamento de seus dados pessoais.

Como a LGPD é relativamente nova, vamos esclarecer os principais mitos e verdades sobre ela e a sua importância!

 

1- A LGPD é válida apenas para empresas de grande porte.

❌MITO! Toda e qualquer empresa que utiliza informações pessoais dos seus clientes para cadastro precisa estar adaptada.

2 -Para a lei, os ‘’dados sensíveis’’ são uma categoria especial que requer mais cuidado.

VERDADE! Segundo a LGPD, os dados sensíveis são aqueles que revelam origem racial ou étnica, convicções religiosas ou filosóficas, opiniões políticas, filiação sindical, questões genéticas, biométricas e sobre a saúde ou a vida sexual de uma pessoa.

3 -A lei prevê apenas punições administrativas e não financeiras.

MITO! As penalidades podem chegar a até 2% do faturamento anual da empresa e a exclusão de todo o seu banco de dados.

4 -A LGPD é válida para dados que são mantidos no meio físico e digital.

VERDADE! Todos os dados coletados de forma física e digital precisam estar em conformidade com a lei.

5 -A LGPD foi baseada na GPDR, lei europeia.

VERDADE! A General Data Protection Regulation (GDPR) existe há 4 anos e já aplicou 1101 multas nos países da União Europeia.

6 -Com a LGPD, fica mais difícil para as empresas conseguirem coletar e usar dados pessoais dos seus clientes.

MITO! O objetivo da lei, além de trazer mais segurança para o consumidor, é fazer com que todas as organizações tenham mais transparência em relação à forma como essas informações são tratadas.

Outro ponto importante destacar é sobre a implementação da LGPD nas empresas: esse processo não é algo simples e rápido! Na verdade, ele exige uma reestruturação, a participação ativa e comprometimento de todos os colaboradores do negócio. É necessário mapear todos os dados e revisar os documentos para que, logo em seguida, seja traçado uma estratégia para garantir a segurança da informação. Por isso, essa adaptação precisa ser feita por profissionais qualificados.

Se a sua empresa ainda não está adequada à lei, entre em contato conosco para iniciar o processo!


Sobre nós

Santos e Ferrigolo

Escritório de assessoramento jurídico em Santa Maria- RS

Buscar